Meu Bem Comer - Por Marcelo Dieb

Conheça o autor

twitter

@meubemcomer

Seja nosso amigo

quem faz

Marcelo Dieb

Marcelo Dieb

ver mais

arquivos

salada

wolfgar

O melhor restaurante do ano é um chalé à beira-mar

Wolfgat acomoda apenas 20 pessoas em um pequeno chalé que fica em uma vila de pescadores a mais de duas horas de carro da Cidade do Cabo, na África do Sul.

E é o lugar mais empolgante do planeta para comer. É preciso sorte para conseguir uma mesa lá.

As reservas são feitas, no máximo, com três meses de antecedência. Mas não há mesas disponíveis.

O World Restaurant Awards concedeu na semana passada o principal prêmio ? Restaurante do Ano ? ao chef Kobus van der Merwe, que abriu o Wolfgat em setembro de 2016 em uma propriedade de 130 anos pertencente a seus pais. Ele viajou de Paternoster (1.971 habitantes), Cabo Ocidental, para Paris sem nem saber que tinha ganhado. Agora, ele já está tentando considerar como lidar com a repentina aclamação.

?Estou extremamente orgulhoso de minha equipe?, disse ele, em entrevista. ?Eles não têm experiência formal em gastronomia e agora foram reconhecidos em um palco internacional.?

O que há de tão especial no Wolfgat? Bem, Van der Merwe trabalha com uma pequena equipe de habitantes locais que buscam ingredientes juntos, cozinham juntos e atendem juntos. Eles até fazem a limpeza juntos. No total, são apenas seis pessoas, e elas aprenderam o trabalho na prática.

?Não fazemos distinção entre o atendimento e a cozinha?, diz ele. ?Nós servimos um pequeno cardápio de degustação de frutos do mar com ervas selvagens sazonais, suculentas e algas que colhemos nos arredores da vila.?

Os clientes devem informar que irão no dia anterior, e a equipe colhe ingredientes suficientes para atender a esse número de pessoas. Não há desperdício. Van der Merwe às vezes tenta atender a 24 pessoas.

O custo? São 850 rands (US$ 60), o que mal bastaria para uma entrada nos templos gastronômicos de Paris.

Van der Merwe nasceu no Cabo Setentrional e frequentou a escola de culinária em Stellenbosch, onde cresceu. Ele não queria ser chef.

?Meu primeiro amor era a música clássica ou as belas artes?, diz ele. ?A escola de culinária foi uma espécie de plano B, e eu não achava que era para mim, então não terminei o curso.? Ele então trabalhou como crítico de música e editor web no guia de restaurantes Eat Out.

?E foi aí que percebi que errei, senti que estava no lado errado do setor?, disse ele. ?Wolfgat é o resultado disso: é um projeto ajustado, um pouco mais bem pensado para nós.?

O prêmio foi anunciado na noite de segunda-feira no primeiro World Restaurant Awards em Paris. O painel de jurados incluiu alguns dos maiores nomes do mundo da culinária, como os chefs Elena Arzak (Arzak); Massimo Bottura (Osteria Francescana); David Chang (Momofuku); Hélène Darroze (Hélène Darroze); Daniel Humm (Eleven Madison Park); René Redzepi (Noma); e Clare Smyth (Core). Eu sou um dos vários jornalistas do painel, mas não participei da escolha do Wolfgat.

Os prêmios pertencem à IMG, a multinacional de entretenimento que está por trás de tudo, da Fashion Week à Frieze Art Fair.

A escolha do Wolfgat foi feita por um grupo menor, composto por 12 pessoas e encabeçado pelo diretor criativo da premiação, Joe Warwick.

?O Wolfgat é sustentável e fica na África, que é um continente que não recebe muita atenção por sua culinária e seus restaurantes?, disse ele. ?Foi o restaurante perefeito para nós".

Com informações de exame.com.br

  • 28/02/2019
  • 0 comentário(s)

Compartilhe:

Fazer um comentário

Seja bem-vindo. Sua opinião é importante.
Todos os Comentários passam pelo processo de moderação.

Busca

Publicidade

Publicidade